sábado, 11 de janeiro de 2014

L'Amatrice - 12 de Copas



Ainda tenho dificuldades com as traduções para os nomes das cartas. Em alguns lugares, o nome dessa é A Amante, mas creio ser uma palavra muito forte para a nossa cultura. Do inglês, Sweetheart, traduziria para Namoradinha. Mas pra ninguém pensar na Regina Duarte e resvalar para o outro extremo. Mas como as traduções também se mostram julgamentos, vamos ficar com o nome original.

Vemos uma mulher jovem, sensível, apaixonada, sonhadora. Ela se sente viva enquanto mantém uma conexão emocional com alguém. Veste-se bem, com cuidado e desvelo, sem vulgaridade. Sua imagem e seu comportamento são muito importantes, porque ela quer mesmo é encantar pessoas. É aquela menina mais bonita da escola, da faculdade, do trabalho.

Ela está lendo uma carta. Imagino ser a carta de um admirador, e nela há muitos elogios à sua beleza e menções ao desespero do admirador por viver sem ela. A Amante fica envaidecida, é claro. Veja a postura altiva, a cabeça erguida, a atenção um pouco desdenhosa. Mais um admirador para a imensa coleção. Isso não quer dizer, no entanto, que ela os usará a seu prazer. Talvez ela não dê bola para nenhum deles. Mas isso dá a ela a certeza de que exerce poder, e lhe faz muito bem. Se fosse uma carta de Espadas, diria que é uma mocinha calculista que brinca com os sentimentos das pessoas. Mas ela não é fria, ela simplesmente precisa de afeto. É ainda muito jovem para ser suficientemente segura de si e encarar um relacionamento com uma pessoa só. Precisa afirmar-se, ter certeza de que muitos a amam, de que ninguém irá largá-la por nada. Se mantém uma certa distância - o que aumenta o seu encanto - é para que não descubram que ela é só uma garota comum e insegura.

O mundo ainda não se mostrou completamente para ela. Vive sonhando, assim como a Giovanetta. Por isso, é uma carta de fertilidade emocional e criativa. Pode mostrar uma situação inspiradora, que resulte frutífera. Pois essa mulher aqui chega às vias de fato, é corajosa e não fica só na vontade.

Também mostra um relacionamento no começo. O flerte. Borboletas no estômago. A conquista saborosa do coração de alguém. Tem gente que nunca sai dessa fase: quando se vislumbra uma relação mais próxima, parte pra outra conquista. Mantém uma distância segura para manter a sua aura reluzente e charmosa. Podemos nos estender nesse aspecto em outro post.

Não nos esqueçamos dos "queridinhos": da mamãe, do chefe, da professora. São tão bonitinhos, exemplares, perfeitinhos... tem hora que faz bem pra gente ser o queridinho de alguém. E tem hora que a gente se irrita um bocado com os outros queridinhos (quem tem irmãos certamente passou por isso em algum momento da infância).

Pensemos na continuação da história: será que a Amante vai responder a cartinha? Eu acho que não. Pois ela sabe que se cozinhar o pretendente em fogo brando, terá o domínio da situação. Não toma atitudes precipitadas, ainda que tenha vontade. Nesse aspecto, a carta aconselha paciência ao manipular uma situação, a fim de não perder o controle dela.

Se a Giovanetta e a Amante fossem irmãs ou colegas, como se comportariam? A comparação fica para o próximo post.



3 comentários:

  1. Estou adorando acompanhar o blog para estudar a Sibilla! você escreve muito bem, já me diverti lendo as postagens e relacionando com o que conheço. Gratidão!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isadora, agradeço o carinho. Esse blog é uma contribuição pequena ao estudo da Sibilla no Brasil. Fico feliz em saber que ele é apreciado e tem sido útil.

      Excluir